25 janeiro 2011

morada

construiste morada no terreno improvável de meu peito

agora queres abandonar o que construiu
pois se assim desejas
abandone

mas deixe as portas e janelas abertas ao sair
que o terreno improvável de meu peito é,
agora mais do que nunca,
habitável

Um comentário: